Catequese: Igreja Católica chamada a ser «criativa» na transmissão da sua mensagem

Presidente de equipa europeia deixa desafios aos responsáveis portugueses, pedindo «mudança de paradigma»

Guarda, 15 abr 2011 (Ecclesia) – O presidente da Equipa Europeia de Catequese, frei Enzo Biemmi, afirmou hoje na Guarda que a Igreja Católica deve ser “criativa” na transmissão da sua mensagem, promovendo uma “mudança de paradigma” nesta área específica.

Falando esta manhã no 50.º Encontro Nacional da Catequese, que decorre até sábado, frei Enzo Biemmi disse que os catequistas devem abandonar uma ação de “enquadramento”, apresentando uma proposta “missionária, iniciática, secular”.

Numa intervenção intitulada «A catequese e os catequistas face aos desafios da secularização», este responsável defendeu “uma passagem da linguagem, da organização e da proposta intraeclesial a uma linguagem laica, a uma desorganização da nossa pastoral autorreferencial com vista a uma reorganização sobre os tempos e os ritmos da vida humana”.

“A situação de secularização que atravessa toda a Europa coloca grandes desafios à comunidade eclesial na tarefa de evangelização que lhe foi confiada pelo Senhor Jesus”, alertou, falando num “verdadeiro êxodo para a comunidade cristã”.

Neste contexto, Biemmi considerou fundamental “uma proposta da fé que toque as necessidades da vida das pessoas”.

“No horizonte de um cristianismo da graça, numa lógica de liberdade, de gratuidade, de maternidade, após a longa estação de catequese de enquadramento, abre-se na Europa a época de um anúncio no registo da surpresa”, indicou.

Para o presidente da Equipa Europeia de Catequese, “este anúncio não seleciona: todo o homem, toda a mulher é digna de Deus, é objeto da sua atenção graciosa”.

Este responsável elevou “quatro situações” na relação dos europeus com a fé cristã, que passam, diferenciadamente, pela “rutura”, a “continuidade sociológica parcial”, a “continuidade individual e ritual” e a “indiferença serena”.

Enzo Biemmi sublinhou que estas situações colocam desafios à catequese, “que pressupõe a escolha fundamental e explica os conteúdos e as atitudes” da fé.

“Numa cultura de secularização, de globalização, de comunicação planetária, nem a família, nem a escola, nem a aldeia levam a cabo a iniciação sociológica à fé cristã”, precisou.

O especialista advogou, por isso, que se passe de “uma catequese reservada às crianças para uma que torne o adulto no sujeito e destinatário principal da catequese, mesmo no caso da catequese das crianças”.

À Igreja, declarou Biemmi, compete “reaprender a anunciar o Evangelho sobre as situações de vida das pessoas, sobre as passagens das suas vidas, sobre o que as faz viver, sofrer, ter  esperança”.

“Há que anunciar um evangelho do amor, um evangelho da paternidade e da maternidade, um evangelho da paixão e da compaixão, um evangelho da fragilidade afetiva e física, um evangelho da ressurreição no coração de qualquer experiência de morte”, acrescentou.

Os trabalhos deste congresso podem ser acompanhados através da página da Comissão Episcopal da Educação Cristã na Internet (http://www.educris.com/) ou através da rede social Facebook, no Fórum EMRC. e no Twitter (http://twitter.com/forumemrc).

Entretanto, já se encontram disponíveis, para visualização, as conferências do primeiro dia de trabalhos, em formacao.educris.com (é necessário registo).

OC

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s