D. Virgílio Antunes ordenado bispo

D. Virgílio Antunes ordenado bispo
Novo responsável pela diocese de Coimbra promete anunciar «linguagem da cruz» de forma «nova e acessível»

 Fátima, Santarém, 03 jul 2011 (Ecclesia) – D. Virgílio Antunes, de 49 anos, foi hoje ordenado bispo em Fátima, após ter sido nomeado como novo responsável pela diocese de Coimbra, a 28 de abril, e prometeu anunciar a “linguagem da cruz” de forma “nova”.

“A linguagem da cruz, que hoje se procura calar e esconder, continua a ser o grande sinal do amor de Deus pelo seu povo em todas as situações de consolação e de sofrimento”, prosseguiu.

Numa cerimónia presidida pelo bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto, o mais recente membro do episcopado português quis agradecer a todos os que o acompanharam neste momento.

“Em setembro de 2008, quando nesta mesma igreja assumi a reitoria do Santuário de Fátima, estava bem longe de imaginar que passado este tempo, aqui estivesse nestas circunstâncias”, confessou D. Virgílio Antunes.

O prelado disse ter seguido “a voz da Igreja” pela obediência que lhe deve e recordou o momento em que soube que iria ser bispo.

“Quando o senhor Núncio Apostólico me informou da decisão do Santo Padre me nomear bispo de Coimbra, tive a tentação de pensar se era uma boa ou má opção, se o momento seria oportuno, se não deveria continuar a desenvolver os projetos em curso no Santuário”, admitiu.

Hoje, num dia de festa na igreja da Santíssima Trindade, que pela primeira vez acolheu uma ordenação episcopal, D. Virgílio Antunes quis reafirmar a sua “comunhão” com a Igreja Católica e a “disponibilidade para cooperar com ela na realização da sua missão de sacramento de salvação universal”.

“Ao Papa Bento XVI manifesto a grande alegria que me confere a graça de poder colaborar com ele, de forma mais próxima, na tarefa de servir a missão de Cristo Pastor”, prosseguiu.

O novo bispo anunciou que “a partir da Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios (1, 23-24)”, escolheu como lema episcopal a frase: “Anunciamos Cristo crucificado, sabedoria de Deus”.

“Significa que procuro centrar-me na pessoa de Jesus Cristo, cujo significado só se pode entender a partir da cruz como caminho de ressurreição e da glória”, precisou.

O prelado dirigiu-se ainda à diocese de Coimbra, mostrando-se “disponível para ir ao vosso encontro com a confiança e a esperança fundadas em Cristo”.

“Gostaria de chegar ao meio de vós como um amigo e como um irmão que comunga das vossas alegrias e tristezas, que acolhe e é acolhido na simplicidade, e que vos confirma na fé enquanto porção do Povo de Deus”, revelou.

Na celebração foi lida a bula de nomeação de Bento XVI em que D. Virgílio do Nascimento Antunes, “até agora reitor do Santuário de Nossa Senhora de Fátima” é designado sucessor de D. Albino Mamede Cleto, que renunciou ao cargo de bispo de Coimbra por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico.

“Ouvida a opinião da Congregação dos Bispos, pela Nossa Autoridade Apostólica, com esta Carta, nomeamos-te [D. Virgílio Antunes] Bispo da Igreja Conimbricense, segundo as normas do direito comum”, pode ler-se no documento enviado à Agência ECCLESIA.

No próximo dia a 10 de julho, D. Virgílio Antunes entrará solenemente na diocese de Coimbra, numa celebração marcada para a Sé Nova, pelas 16h30.

OC